30 janeiro 2015

A Semana em Revista - 26 de Janeiro a 1 de Fevereiro de 2015

 Boa Noite, caros leitores e leitoras que se dão ao trabalho de ler este blog (e também para aqueles que o ignoram e se enganaram ao entrar nesta página). Em Agosto de 2014 tomámos a decisão de "folgar" aos fins de semana, uma medida que se manteve em Setembro e regressou recentemente. Para quem não conhece, esta é uma espécie de rubrica semanal que consiste num post manhoso onde aproveito para efectuar um balanço do que foi feito no Rick´s Cinema ao longo da semana.

- O primeiro destaque vai para as cinco críticas publicadas ao longo da semana:

-
-
-
-
-

- O segundo destaque centra-se nos posts diários ou bidiários que remetem para as notícias do dia. Cada vez mais parece inútil andar dia após dia a publicar notícias de forma sistemática, sobretudo quando cada vez mais sites, blogs, páginas de Facebook e grupos nas redes sociais fazem o mesmo. Nesse sentido, decidimos começar a publicar as notícias num post diário, algo que permite agilizar a publicação das mesmas e dar um tom mais pessoal a este espaço:

-
-
-
-
-
-

- O terceiro destaque vai para o post sobre as estreias da semana:

-

- O quarto destaque vai para os posts que reúnem as minhas críticas a filmes realizados por Wong Kar-Wai, James Gray, Josef von Sternberg, Zhang Yimou e Diao Yi'nan, tendo em vista a facilitar a leitura das mesmas:

-
-
-
-
-

Resenha Crítica: "Zangiku monogatari" (O Conto dos Crisântemos Tardios)

 É praticamente impossível visionar "Zangiku monogatari" e não pensar que estamos perante um filme bastante pessoal de Kenji Mizoguchi, com Kikunosuke Onoue (Shotaro Hanayagi), o protagonista, a parecer partilhar alguns elementos da vida do cineasta. Onoue é um actor de teatro considerado pelos seus pares como alguém pouco talentoso, que trabalha neste ofício devido a ser o filho adoptivo de Kikugoro Onoue, uma lenda na representação teatral. Elogiado pelos colegas quando se encontra próximo destes e alvo de troça quando está afastado dos mesmos, Kikunosuke tem apenas na figura de Otoku (Kakuko Mori), a ama do seu irmão mais novo, o único elemento que é capaz de apresentar alguns sentimentos sinceros e calorosos para consigo, indo ter um papel relevante na vida deste. Já Kenji Mizoguchi é um realizador de enorme talento, mas que no início da carreira realizou uma série de filmes que pouco reconhecimento lhe deram, até sobressair em 1936 com "Gion no Shimai" e "Naniwa erejī", duas obras de enorme valia. O cineasta contou ainda com o apoio da irmã mais velha, uma figura feminina que foi vendida como gueixa, algo que mais uma vez nos pode fazer traçar um paralelo entre o protagonista e Mizoguchi, enquanto este último aproveita ainda a obra para traçar os seus habituais comentários de pendor social. Ao longo do filme encontramos questões ligadas com a estratificação social, o papel mais frágil da mulher na sociedade, a hipocrisia nos relacionamentos humanos, a dicotomia entre o ser e o parecer, entre outros elementos, com a história a ter como pano de fundo o Japão do final do Século XIX. A estratificação social fica desde logo presente na forma como Kikugoro e a sua esposa procuram evitar o relacionamento entre Kikunosuke e Otoku, devido ao escândalo que esta situação poderia causar, algo que conduz o jovem actor a abandonar a cidade de Tóquio e partir para Osaka. A relação entre Kikunosuke e Otoku é marcada pela fidelidade que esta apresenta junto do amado, tendo sido a única a não ter problemas em colocar em causa as suas interpretações, enquanto todos o elogiavam pela frente e criticavam pelas costas. Kikunosuke procura singrar como actor embora tenha enorme dificuldade em triunfar, reunindo-se um ano depois com Otoku com quem vai habitar em união de facto. Durante quatro anos, Kikunosuke trabalha juntamente com uma trupe itinerante, até regressar a Tóquio e conhecer a glória e o reconhecimento do seu pai graças a Otoku. Esta elabora um acordo com os familiares de Kikunosuke para que este seja aceite novamente no núcleo familiar, oferecendo como moeda de troca o seu afastamento, sacrificando-se em prol do seu amado. O sacrifício da mulher em relação à figura masculina é uma temática transversal a várias obras de Kenji Mizoguchi, uma situação visível em filmes como os já citados "Gion no Shimai" e "Naniwa erej", mas também “Ugetsu”, com este cineasta a apresentar uma notória preocupação em denunciar esta excessiva subjugação numa sociedade patriarcal algo machista.

Otoku é uma mulher submissa em relação aos seus chefes e a Kikunosuke, sendo notório o seu respeito pelos valores tradicionais. Muitas das vezes de cabeça abaixada, voz delicada e pronta a não se fazer sobressair, esta personagem interpretada com enorme delicadeza por Kakuko Mori apresenta uma grande fidelidade em relação ao protagonista (o sentido de giri de várias figuras femininas dos filmes de Mizoguchi), dedicando a sua existência a ajudá-lo a superar as adversidades e as limitações que este tem na arte da interpretação, surgindo como o grande baluarte de Kikunosuke. Estreante na interpretação cinematográfica, Shôtarô Hanayagi surpreende como este actor amargurado por viver na sombra do padrasto, um indivíduo duro que não apresenta grandes contemplações em relação ao protagonista. Kikunosuke quer vingar no mundo do teatro, mas tarda em conseguir sair da alçada do seu pai, apresentando desempenhos desastrosos ao longo dos espectáculos, apesar de parecer inicialmente pouco preocupado em reverter a situação. Logo nos momentos iniciais do filme ficamos perante uma peça de teatro de kabuki onde Kikunosuke integra o elenco, com os elementos teatrais a serem relevantes ao longo deste filme onde os sentimentos surgem bem reais. Veja-se a dita cena, mas também no final da segunda metade do filme, quando Kikunosuke tem o momento catártico de finalmente poder representar um papel que lhe permite provar aquilo que aprendeu, sobressaindo o elevado cuidado colocado por Kenji Mizoguchi e a sua equipa na representação da peça de kabuki, quer a nível de guarda-roupa, quer da maquilhagem, quer da atmosfera algo estilizada que rodeia este mundo onde sobressai o pai do protagonista. O pai adoptivo pouco aprecia a interpretação do filho nos momentos iniciais do filme, duvidando das capacidades deste para ser o seu sucessor, enquanto os restantes elementos ironizam com a falta de talento de Kikunosuke, algo que este vai procurar contrariar. Assistimos assim a uma família que se desintegra, a um casal que vive um romance proibido devido ao diferente estatuto social e a um actor a procurar singrar num meio onde as oportunidades parecem depender muito do nome de cada um. Nesse sentido, parece também existir um comentário de Kenji Mizoguchi sobre a arte e o estado da mesma, com Kikunosuke a apenas parecer conseguir ascender se ceder aos anseios da família e recuperar o nome do pai, com o nome a contar e muito para ajudar ao reconhecimento. 

Também Mizoguchi tardou em alcançar o reconhecimento de nome maior do cinema japonês, tendo em "Zangiku monogatari" um drama de época bastante recomendável, que raramente descai para melodramas excessivos, apresentando de forma bastante humana a procura de Kikonosuke em ascender no mundo da interpretação. A ascensão profissional nem sempre é fácil ou possível. Kikonosuke apenas o conseguiu com muita dedicação e sacrifícios, um pouco como Kenji Mizoguchi, com o cineasta a voltar a brindar-nos com um filme de época cujos temas ainda podem ecoar no Japão do seu tempo (veja-se a sua preocupação com a pouca valorização do papel da mulher na sociedade, bem como a sua postura contra a posição inferior das figuras femininas, algo que também encontramos em diversas obras de Mikio Naruse). Mizoguchi é um perfeccionista, algo visível não só nas interpretações acima da média que este consegue tirar dos seus actores e actrizes, mas também no enorme cuidado na composição dos planos e no trabalho de câmara (mérito também para Shigeto Miki e Yozô Fuji, os directores de fotografia). Temos ainda vários outros elementos típicos do cineasta, tais como os travellings, a utilização do deep focus, uma exímia utilização da iluminação, sendo tudo arquitectado ao pormenor, algo que lhe valeu a fama de gostar de puxar os limites dos seus colaboradores. "Zangiku monogatarai" remete ainda para a boa safra de filmes de época realizados por Kenji Mizoguchi, com o cineasta a expor e explorar eficazmente as estruturas sociais e culturais do período representado ao mesmo tempo que aproveita para efectuar um comentário sobre a sociedade do seu tempo, contrastando nesta obra cinematográfica os valores sociais aparentemente imóveis com um amor que parece procurar desafiar essas "regras". Mais do que uma paixão calorosa, estamos perante um enorme sentimento de lealdade e gratidão de parte a parte, apesar de Kikonosuke por vezes tomar algumas decisões irreflectidas que magoam fisicamente e sentimentalmente Otoku. Kikonosuke até surge representado com maior simpatia do que as figuras masculinas de "Gion no Shimai" e "Naniwa ereji", mas nem por isso deixa de contar com algumas atitudes irreflectidas sobre as mulheres. Os momentos finais surgem como algumas das cenas mais marcantes que o cinema tem para nos dar, onde a glória e a morte se reúnem e o poder das imagens em movimento surge expresso de forma paradigmática.

Título original:"Zangiku monogatari".
Título em Portugal: "O Conto dos Crisântemos Tardios".
Realizador: Kenji Mizoguchi.
Argumento: Matsutarō Kawaguchi e Yoshikata Yoda (baseado no livro de Shôfû Muramatsu).
Elenco: Shôtarô Hanayagi, Kôkichi Takada, Gonjurô Kawarazaki.

Trailer de "Madame Bovary", um filme protagonizado por Mia Wasikowska. Helen Mirren e Ryan Reynolds no novo poster de "Woman in Gold". Novo filme de Woody Allen já tem título. TV Spot de "Avengers: Age of Ultron". Novo poster internacional de "Jauja". Dakota Johnson, Rebel Wilson, Dan Stevens e Leslie Mann podem integrar o elenco de "How to Be Single". Super Bowl Spot de "Kingsman: The Secret Service". Novo poster internacional de "Shaun the Sheep". Notícias - 30 de Janeiro de 2015

- Foi divulgado o trailer da nova adaptação cinematográfica do livro "Madame Bovary", escrito por Gustave Flaubert. "Madame Bovary" é realizado por Sophie Barthes ("Cold Souls"), através do argumento da própria e Rose Barreneche. O filme conta no elenco com Mia Wasikowska, Paul Giamatti, Ezra Miller, Rhys Ifans, entre outros. Vale a pena realçar que "Madame Bovary" já conheceu diversas adaptações ao grande ecrã, com as obras realizadas por Vincente Minnelli e Claude Chabrol a encontrarem-se entre as mais conhecidas.
O livro foi publicado em Portugal com o título "Madame Bovary" e tem a seguinte sinopse (via Wook): Emma, nascida no seio de uma família da pequena burguesia, foi criada no campo e aprendeu a ver a vida através da literatura sentimental. Bonita e requintada para os padrões provincianos, casa-se com Charles, um médico de província tão apaixonado pela esposa quanto entediante. Nem mesmo o nascimento da filha dá alegria ao casamento, a que Emma se sente presa. Revoltada com a sua vida, Emma perseguirá os seus sonhos, com consequências trágicas.



- Já se encontra online o primeiro TV Spot de "Avengers: Age of Ultron". A continuação de "Os Vingadores" é realizada por Joss Whedon, a partir do argumento do próprio.

O título "Age of Ultron" remete para a minissérie de Comics homónima, escrita por Brian Michael Bendis, com o enredo a contar com Ultron como antagonista. "Age of Ultron" contou com dez volumes, que foram publicados entre Março a Junho de 2013. O filme conta no elenco com Robert Downey Jr como Tony Stark aka Iron Man, Samuel L. Jackson como Nick Fury, Chris Hemsworth como Thor, Mark Ruffalo como Hulk, Jeremy Renner como Hawkeye, Chris Evans como o carismático Capitão América, James Spader como Ultron, Elizabeth Olsen como Scarlet Witch, Aaron Taylor-Johnson como Quicksilver, Thomas Kretschmann como Barão Wolfgang Von Strucker, Paul Bettany como The Vision, entre outros.



- Foi divulgado um novo poster internacional da adaptação cinematográfica de "Shaun the Sheep". O filme é escrito e realizado por Richard Starzak (aka Golly) e Mark Burton, sendo produzido pelo  StudioCanal e a Aardman Animations. Poster via IMP Awards.
Shaun the Sheep surgiu pela primeira vez na curta vencedora de um Oscar, "A Close Shave". A longa metragem é desenvolvida em stop-motion e acompanha as aventuras de Shaun, Bitzer e companhia na cidade, tendo em vista a resgatar o responsável pela quinta, após este ter sido colocado fora da mesma devido aos estragos provocados por Shaun.

- O novo filme de Woody Allen já tem título: "Irrational Man". O filme conta no elenco com Parker Posey ("Louie"), Jamie Blackley ("If I Stay"), Joaquin Phoenix ("The Master"), Emma Stone ("Magic in the Moonlight"), entre outros. Não existem detalhes em relação aos personagens interpretados por Emma Stone, Joaquin Phoenix, Jamie Blackley e Parker Posey. Ainda não existe uma sinopse oficial do filme. O enredo encontra-se a ser descrito como "uma história contemporânea" centrada em "académicos, licenciados e indivíduos de classe média/trabalhadora". Via CS.

- Foi divulgado um novo poster internacional de "Jauja", um filme realizado por Lisandro Alonso, através do argumento do próprio e Fabian Casas. O filme conta no elenco com Viggo Mortensen, Diego Roman, Ghita Nørby, entre outros. Poster via IMP Awards.
 Crítica a "Jauja": http://bogiecinema.blogspot.pt/2014/11/resenha-critica-jauja.html



- O The Hollywood Reporter noticiou que Dakota Johnson, Rebel Wilson, Dan Stevens e Leslie Mann encontram-se em negociações para juntarem-se a Lily Collins no elenco da adaptação cinematográfica de "How To Be Single", um livro de Liz Tuccillo. A mesma fonte salientou que Alison Brie continua em negociações para integrar o elenco do filme. O filme vai ser realizado por Christian Ditter, através do argumento de Marc Silverstein e Abby Kohn.
O livro foi publicado em Portugal com o título "Como Ser Solteira" e tem a seguinte sinopse (via Wook): Liz Tuccillo é co-autora, a par de Greg Behrendt, do bestseller Ele Não Está Assim Tão Interessado, que pela sua enorme popularidade, foi já adaptado ao cinema. Agora a solo, apresenta um romance onde cinco trintonas revelam pormenorizadamente os motivos que as levam a manter-se solteiras. Economicamente independentes, apenas procuram um companheiro que as ame física e espiritualmente. E, enquanto não encontram o homem certo, vão-se divertindo com os homens errados…

- Já se encontra online o Super Bowl spot de "Kingsman: The Secret Service". O filme é realizado por Matthew Vaughn ("X-Men: First Class"), através do argumento do próprio e Jane Goldman. "Kingsman: The Secret Service" conta no elenco com Sophie Cookson ("Moonfleet"), Samuel L. Jackson ("The Avengers"), Taron Egerton (estreante em longas-metragens), Colin Firth ("The King's Speech"), Michael Caine ("The Italian Job"), Sofia Boutella ("StreetDance 2"), Mark Hamill (o Luke Skywalker da saga "Star Wars"), entre outros.
 "Kingsman: The Secret Service" adapta ao grande ecrã a minissérie de banda desenhada "The Secret Service", escrita por Mark Millar e desenhada por Dave Gibbons. A minissérie foi criada por Matthew Vaughn ("Kick-Ass") e Millar, após terem visionado "Casino Royale" e terem sentido a falta de cenas que mostrassem o treino do espião. O enredo de "The Secret Service" centra-se num rapaz rebelde do Norte de Londres, que treina para tornar-se num espião ao estilo de James Bond. Firth vai dar vida a Uncle Jack, o "mentor" do protagonista. Egerton interpreta o jovem que treina para ser um agente.



- Foi divulgado um novo poster de "Woman in Gold". O filme é realizado por Simon Curtis ("My Week With Marilyn"), através do argumento de Alexi Kaye Campbell. "Woman in Gold" conta no elenco com Ryan Reynolds, Helen Mirren, Daniel Brühl, Frances Fisher, Katie Holmes, Tatiana Maslany, Max Irons, entre outros. Poster via IMP Awards.
 O enredo de "The Woman in Gold" é baseado na história real de Maria Altmann, uma refugiada judia que nos anos 80 decidiu lutar contra o Governo austríaco para recuperar as obras de arte que pertenciam à sua família. Reynolds vai dar vida ao advogado de Maria, Randol Schoenberg, enquanto que Daniel Brühl vai interpretar o rival deste último.

-

- Em actualização.

Críticas a filmes realizados por Diao Yi'nan

-




















-


 

















-


 

Críticas a filmes realizados por Wong Kar-Wai

- As Tears Go By: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-as-tears-go-by-ao-sabor.html




















- Days of Being Wild: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-days-of-being-wild.html




















- Ashes of Time Redux: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-ashes-of-time-redux.html




















- Chungking Express: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-chungking-express.html




















- Fallen Angels: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-fallen-angels-anjos.html




















- Happy Together: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-happy-together-felizes.html




















- In the Mood For Love: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-in-mood-for-love.html




















- 2046: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-2046.html




















- My Blueberry Nights: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-my-blueberry-nights.html




















- The Grandmaster: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-grandmaster-o-grande.html


 

Críticas a filmes realizados por Zhang Yimou

-




















-


 

















-




















-




















-




















-




















-





















-




















-




















-



















-

-


 
 

Críticas a filmes realizados por Josef von Sternberg

-



















-



















-



















-



















-

 














-



















-



















-



















-



















-















-


 


Críticas a filmes realizados por James Gray

- Little Odessa: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-little-odessa.html




 
















- The Yards: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-yards-nas-teias-da.html




 
















- We Own the Night: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-we-own-night-nos.html



 
















- Two Lovers: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-two-lovers-duplo-amor.html




















- The Immigrant: http://bogiecinema.blogspot.pt/2013/11/resenha-critica-immigrant.html