29 agosto 2014

A Semana em Revista - 25 a 31 de Agosto de 2014

 Desde o dia 1 de Janeiro de 2014 que o blog é regularmente actualizado, pelo que decidimos aproveitar o mês de Agosto para parar aos fins-de-semana, uma medida que pode ser aplicada nos restantes meses do ano. Escrever é um dos meus hobbies preferidos, algo visível na quantidade de críticas manhosas publicadas ao longo dos últimos meses neste espaço, embora essa situação não implique que comece a existir algum cansaço. Tendo em conta que um blog não é um trabalho (se contasse com este espaço como fonte de rendimento estava bem tramado), esse cansaço pode ser combatido com estas pequenas pausas que permitem ainda começar a pensar em alguns ciclos informais que vão ser feitos no Rick's Cinema. Nesse sentido, ao longo do mês de Agosto o "A Semana em Revista" chega às Sextas-Feiras. Para quem não conhece, esta é uma espécie de rubrica semanal que consiste num post manhoso onde aproveito para efectuar um balanço do que foi feito no Rick´s Cinema ao longo da semana.

O primeiro destaque vai para as cinco críticas publicadas ao longo da semana:

-
-
-
-
-

O segundo destaque centra-se nos posts diários que remetem para as notícias do dia. Cada vez mais parece inútil andar dia após dia a publicar notícias de forma sistemática, sobretudo quando cada vez mais sites, blogs, páginas de Facebook e grupos nas redes sociais fazem o mesmo. Nesse sentido, decidimos começar a publicar as notícias num post diário, algo que permite agilizar a publicação das mesmas e dar um tom mais pessoal a este espaço:

-
-
-
-
-
 
O terceiro destaque centra-se no post dedicado às estreias da semana:
-

Continua a espera pela reunião do elenco completo...


Notícias - 29 de Agosto de 2014

- Continuam os rumores sobre a possibilidade de Joaquin Phoenix poder protagonizar "Doctor Strange". A escolha parece a ideal. Torcemos para que Joaquin Phoenix aceite o papel.

- Foi divulgado o primeiro teaser poster de "Rosewater", um filme realizado por Jon Stewart.
 O argumento do filme é inspirado no livro "Then They Came For Me: A Family’s Story Of Love, Captivity And Survival", de Maziar Bahari e Aimee Molloy. O livro foi baseado na história real de Maziar Bahari. Este foi enviado pela BBC para cobrir as eleições presidenciais no Irão, em Junho de 2009. Com uma mulher grávida em casa, Maziar pensava que iria estar ausente ao longo de uma semana, mas acaba por permanecer cento e dezoito dias no território, devido a ter sido mantido em cativeiro na prisão mais conhecida do local. Neste período de tempo, o jornalista é brutalmente interrogado por um guarda prisional que apenas conhece por cheirar a água de rosas. 

- Já se encontra online um novo poster de "Open Windows", um thriller protagonizado por Sasha Grey e Elijah Wood. O filme vai estar em exibição na edição de 2014 do MOTELx: http://www.motelx.org/portfolio-item/open-windows/

- Foram divulgados dois clips de "She's Funny That Way", o novo filme escrito e realizado por Peter Bogdanovich. O filme conta no elenco com Richard Lewis, Jennifer Aniston, Owen Wilson, Cybil Shepherd, Imogen Poots, Rhys Ifans, Lucy Punch, Ahna O’Reilly, Jake Hoffman. O enredo de "She's Funny That Way" acompanha um realizador casado (Wilson), que ajuda uma prostituta de Nova Iorque (Poots) a participar num espectáculo da Broadway e singrar no mundo da representação. Ifans interpreta uma estrela de cinema, que se encontra a ser dirigido pelo protagonista (Wilson) e acaba por ter um caso com a mulher deste (Hahn). Punch vai dar vida a uma acompanhante oriunda da Europa do Leste, enquanto O’Reilly interpreta uma acompanhante reformada. Hoffman tem uma participação especial, indo interpretar um membro do staff do hotel, onde se encontram o realizador e a sua esposa.

- Foi divulgado um poster em movimento de "Kill Me Three Times", um filme realizado por Kriv Stenders.
O filme conta no elenco com Simon Pegg, Sullivan Stapleton, Alice Braga, Teresa Palmer, Bryan Brown, Callan Mulvey, Luke Hemsworth, entre outros. O enredo acompanha Charlie Wolfe (Simon Pegg), um assassino que descobre não ser o único a procurar eliminar a personagem interpretada por Alice Braga. Charlie embrenha-se numa história que envolve assassinatos, chantagem e vingança.

- Foi divulgado um novo trailer da adaptação cinematográfica de "The Scribbler". O filme é realizado por John Suits ("Breathing Room"), através do argumento de Dan Schaffer (tendo como base a graphic novel, "The Scribbler"). "The Scribbler" conta no elenco com Katie Cassidy, Garret Dillahunt, Michelle Trachtenberg, Eliza Dushku, Gina Gershon, Michael Imperioli, Billy Campbell, Sasha Grey, Ashlynn Yennie, Kunal Nayyar, T.V. Carpio, entre outros. O enredo de "The Scribbler" centra-se em Suki (Cassidy), uma jovem mulher que confronta a sua destrutiva doença mental com "The Siamese Burn", uma máquina que permite eliminar as suas múltiplas personalidades. Há medida que se começa a aproximar da cura, Suki começa a ser atormentada com a possibilidade da última identidade ser algo que esta não deseja.





- Já se encontra online um trailer da adaptação cinematográfica de "Shaun the Sheep". O filme é escrito e realizado por Richard Starzak (aka Golly) e Mark Burton, sendo produzido pelo  StudioCanal e a Aardman Animations. Shaun the Sheep surgiu pela primeira vez na curta vencedora de um Oscar, "A Close Shave". A longa metragem é desenvolvida em stop-motion e acompanha as aventuras de Shaun, Bitzer e companhia na cidade, tendo em vista a resgatar o responsável pela quinta, após este ter sido colocado fora da mesma devido aos estragos provocados por Shaun.




- Foi divulgado um novo TV Spot de "Big Hero 6" e um novo TV Spot de "The Maze Runner":





- Foi divulgado um novo trailer de "Leviathan", um filme realizado por Andrey Zvyagintsev. O filme tem a seguinte sinopse (via Cannes): Kolia mora numa pequena cidade à beira do mar de Barents, no norte da Rússia. Tem uma garagem ao lado da casa onde vive com a mulher Lylia e o filho Romka de um casamento anterior. Vadim Sergeyich, o Presidente da Câmara da cidade, deseja apropriar-se do terreno do Kolia, da sua casa e da sua garagem. Tem projetos. Tenta comprar a propriedade mas Kolia não suporta a ideia de perder tudo o que possui, não apenas o terreno mas também a beleza que o rodeia desde que nasceu. Então o Vadim Sergeyich torna-se mais agressivo...



- Foram divulgadas várias imagens de "Gone Girl", o novo filme realizado por David Fincher:

- Foram divulgadas duas fotos do set de "Tarzan". As fotos centram-se nos personagens interpretados por Christoph Waltz e Margot Robbie:



- Post em actualização ao longo do dia...

Resenha Crítica: "La Jalousie" (Ciúme)

 As relações humanas são complicadas. Não é novidade, nem Philippe Garrel pretende passar essa situação como tal. Prefere antes desarmar-nos com o quotidiano de Louis e Claudia. Louis é um actor de teatro na casa dos trinta anos de idade cujo salário está longe de satisfazer as suas necessidades, enquanto Claudia tarda em conseguir recuperar o êxito como actriz. Garrel exibe-nos momentos da intimidade destes dois no apartamento barato que dividem, onde ambos mostram alguma cumplicidade e reverência para com a sua arte. As imagens deleitam-nos (magnífica cinematografia de Willy Kurant, um director de fotografia que já trabalhou com Godard em "Masculin féminin"), filmadas a preto e branco, belíssimas e prontas a incrementar toda a nostalgia que rodeia o enredo, mas também os sentimentos díspares que vão sendo expostos ao longo do filme. Louis conseguiu um trabalho numa peça, onde acaba por brevemente trair Claudia com uma colega de trabalho. Este espera que a amada consiga regressar ao estrelato, embora essa pareça ser uma tarefa deveras complicada. Entretanto, Claudia conhece Henri, um indivíduo que lhe propõe trabalho como arquivista, acabando por se interessar por este, algo que coloca em causa a relação com Louis. Este tem uma filha de Clothilde, procurando cuidar da jovem Charlotte e partilhando com esta alguns saudáveis momentos entre pai e filha. O abandono de Claudia parece estar prestes a destruir Louis, o próprio sabe disso quando pega numa arma. Philippe Garrel filma a arma na mesa e a mão de Louis a pegar na mesma, focando esta parte do corpo num plano a fazer recordar a atenção dada por Robert Bresson às partes corporais específicas dos seus personagens e ao simbolismo dos seus gestos. Louis não é um assaltante de carteiras como Michel em "Pickpocket", mas quem é tomado de assalto é o seu orgulho e a sua aparente cara-metade, enquanto a sua alma se inquieta perante a possível perda. Este é interpretado por Louis Garrel, filho de Philippe e colaborador habitual do mesmo, um actor capaz de exibir no seu rosto o desassossego de sentimentos pelo qual vive o seu personagem depois de ser abandonado. Ama a filha, parece amar Claudia embora esta não esteja disposta a manter a relação. Não é novidade que Philipe Garrel integre elementos da sua vida pessoal nas suas obras cinematográficas, pelo que não é de surpreender que "La Jalousie" tenha sido baseado num caso extra-conjugal do seu pai, com a jovem Charlotte a funcionar como um duplo do realizador durante a sua infância. Diga-se que a ligação familiar de Garrel e "La Jalousie" encontra-se ainda na presença de Esther, interpretada por Esther Garrel, filha do cineasta e irmã de Louis no filme e na vida real. Esther e Louis perderam o pai relativamente cedo, apresentando alguma cumplicidade entre si, com este último a ter num antigo professor uma figura quase paternal. O antigo professor de Louis faz questão de salientar que o protagonista percebe mais da ficção do que da realidade, um comentário que traduz bem este protagonista. Sente ciúme por Claudia estar envolvida com outra pessoa, embora anteriormente até tivesse abandonado a sua companheira e cometido um acto semelhante, exibido logo no início do filme, onde a jovem Charlotte espia o pai a abandonar a mãe, perante a tristeza desta última.

Perdoem mais uma vez a comparação com Robert Bresson (com as devidas diferenças, visto que Bresson é um cineasta de um nível ao alcance de poucos), que Garrel assumiu ser uma das suas referências, mas o momento em que Louis e Clothilde se separam e a jovem Charlotte espia por uma fresta do seu quarto faz recordar momentos semelhantes em que os guardas espreitam Jeanne d'Arc em "Procès de Jeanne d'Arc" e a protagonista de "Au Hasard Balthazar" espia através de um espaço diminuto, onde ficamos perante algum voyeurismo. De Robert Bresson, Philippe Garrel também parece tirar o exímio jogo entre as imagens e o som, em particular a banda sonora, capaz de incrementar a nostalgia inerente a alguns episódios que rodeiam a narrativa. Veja-se quando Louis vai atrás de Claudia durante a noite, com ambos já a mostrarem alguns problemas, enquanto a música contribui para transformar este momento em algo de sublime, mas também a cena em que a personagem interpretada por Anna Mouglalis corre desenfreadamente para casa para tentar descobrir o que o protagonista se encontra a fazer (num ataque de ciúmes latente). Louis continua a amar Claudia, mas esta nem por isso parece disponível em manter a relação. Diga-se que Louis também a trai com a co-protagonista da peça que protagoniza, para além de segurar a mão da mãe de uma amiga da filha durante uma sessão no cinema, algo revelador de algum interesse e que expõe a complexidade destes relacionamentos que têm como pano de fundo a cidade de Paris. Ficamos perante relações humanas complexas, onde Garrel mostra que, ao contrário do seu protagonista, sabe lidar com o mundo real, ou pelo menos consegue transpor para o grande ecrã as complicações típicas que acompanham o quotidiano dos seres humanos. Aparentemente, o enredo de "Ciúme" parece simples, mas Garrel eleva a obra com a sua realização magnífica, pronta a problematizar as temáticas e a seguir por caminhos nem sempre esperados, marcada por diálogos com alguma profundidade e qualidade, que até acabam por ajustar-se que nem uma luva ao título "filho da Nouvelle Vague" que acompanha o press kit do filme. "Ciúme" beneficia ainda de um magnífico trabalho de câmara, onde o cameraman Jean-Paul Meurisse dá uma lição de como utilizar a câmara na mão, seguindo os personagens atentamente, acompanhando os seus movimentos, os elementos para onde olham, transformando-nos em cúmplices de Louis, Claudia e todos os elementos que rodeiam a obra. Através de Louis e Claudia, Garrel explora as complicadas relações entre homens e mulheres, incluindo todo o turbilhão de sentimentos que uma relação pode ter. Não falta algum amor, cumplicidade, ciúme, dor, traição, ressentimento, segredos por revelar e verdades incómodas a serem ditas, embora no caso de Louis a sua relação esteja destinada a um final pouco aprazível.

Claudia é uma mulher algo independente, incapaz de não mostrar algum ciúme em relação à actriz que vai interpretar a irmã de Louis num trabalho. Esta mantém uma relação de enorme admiração, respeito e fraternidade com um escritor de idade avançada, de quem admira os seus trabalhos, com Garrel a deixar-nos perante alguns momentos de leitura a fazer recordar os personagens leitores de Godard. O escritor surge como uma figura quase paternal para Claudia, tal como o professor para Louis, com estas duas figuras adultas a continuarem a ter os seus confidentes e conselheiros, um pouco como a jovem Charlotte tem no personagem interpretado por Louis Garrel e Clothilde. Charlotte permite a "La jalousie" abordar a temática dos filhos de pais separados, enquanto ficamos em alguns momentos perante esta jovem cheia de vivacidade que gosta da presença do pai e vive com a mãe. Partilha uma saída com Claudia e Louis, mas também com este último e a irmã do mesmo, para além de alguns momentos de ternura com o pai e a mãe, com o filme a não descurar a presença desta jovem personagem, interpretada por uma surpreendente Olga Milshtein. Vale ainda a pena realçar o desempenho de Anna Mouglalis, capaz de atribuir maior dimensão e fazer-nos acreditar em relação aos sentimentos de Claudia, uma personagem feminina relativamente forte, exposta de forma nem sempre positiva, embora esteja longe de ser condenada pelo realizador. Temos ainda Clothilde, a antiga mulher de Louis, também ela a lidar com a dor do abandono e o ciúme de ver o protagonista com outra mulher, algo adensado pelas histórias contadas pela filha sobre o passeio entre ambos. Os laços mais fortes e duradouros parecem ser entre Louis e Charlotte, mas também entre o primeiro e a irmã, enquanto as relações amorosas do protagonista gradualmente se vão desfazendo com o desenrolar do tempo. "La Jalousie" coloca-nos perante estes relacionamentos que nascem e terminam, através de "pequenos grandes" episódios das vidas destes personagens, enquanto Philippe Garrel observa as suas almas (o chamado “voyeurismo da alma”). Os personagens lutam pelo amor ou por alcançá-lo, embora essa tarefa seja aparentemente impossível, enquanto a câmara segue os mesmos e estes vão sendo expostos junto de nós, revelando traços das suas personalidades e inquietações. O título do filme remete para um sentimento comum a quase todos os seres humanos, que causa lastro pelos personagens e ameaça muitas das vezes as suas relações. Não é só deste sentimento que vive "La Jalousie", mas também de amor, ressentimento, dor, amizade, com Philippe Garrel a ser capaz de nos deixar perante um filme belíssimo, onde somos confrontados com as complexidades das relações humanas através desta obra de arte marcada por grande humanismo, onde as palavras podem expor sentimentos mas nem por isso revelam-nos por completo.

Título original: "La jalousie".
Título em Portugal: "Ciúme".
Realizador: Philippe Garrel. 
Argumento: Marc Cholodenko e Caroline Deruas-Garrel. 
Elenco: Louis Garrel, Anna Mouglalis, Emanuela Ponzano, Arthur Igual.

28 agosto 2014

Notícias - 28 de Agosto de 2014

- O Deadline noticiou que Charlie Hunnam ("Pacific Rim") é o favorito de Guy Ritchie para interpretar o Rei Artur em “Knights of the Roundtable: King Arthur”.  O actor encontra-se em negociações finais para interpretar o personagem. O filme vai ser realizado por Guy Ritchie ("The Man From U.N.C.L.E."), através do argumento de Joby Harold. O argumento do filme é baseado nas lendas do Rei Artur e dos Cavaleiros da Távola Redonda. O enredo de "Knights of the Roundtable: King Arthur" ainda é desconhecido.

- A Billboard avança que Martin Scorsese vai realizar um filme sobre os Ramones. O projecto está a ser desenvolvido para ser inserido nas comemorações dos quarenta anos da banda em 2016. Promete...

- Vem aí o reboot da franquia "Underworld". Seria necessário? Provavelmente não, mas a Lakeshore Entertainment já contratou Cory Goodman para escrever o argumento do filme.

 - Foram divulgadas várias novas imagens de "Exodus: Gods and Kings", o novo filme de Ridley Scott:


- Foi divulgado um novo poster internacional do promissor "Frank", um filme realizado por Lenny Abrahamson ("Garage"), através do argumento de Jon Ronson e Peter Straughan. "Frank" conta no elenco com Michael Fassbender ("Shame"), Domhnall Gleeson ("Anna Karenina"), Maggie Gyllenhaal ("White House Down") e Scoot McNairy ("Killing them Softly").
O argumento de "Frank" é livremente baseado na vida de Chris Sievey, um músico e comediante que formou a banda The Freshies. A história acompanha Jon (Gleeson), um indivíduo que se junta a uma excêntrica banda musical formada por Frank (Fassbender) e Clara (Gyllenhaal).

- Já se encontra online o trailer de "Rosewater", um filme realizado por Jon Stewart. O argumento do filme é inspirado no livro "Then They Came For Me: A Family’s Story Of Love, Captivity And Survival", de Maziar Bahari e Aimee Molloy. O livro foi baseado na história real de Maziar Bahari. Este foi enviado pela BBC para cobrir as eleições presidenciais no Irão, em Junho de 2009. Com uma mulher grávida em casa, Maziar pensava que iria estar ausente ao longo de uma semana, mas acaba por permanecer cento e dezoito dias no território, devido a ter sido mantido em cativeiro na prisão mais conhecida do local. Neste período de tempo, o jornalista é brutalmente interrogado por um guarda prisional que apenas conhece por cheirar a água de rosas. Estou com alguma curiosidade em relação a este projecto. Jon Stewart não me desapontes.



- Foi divulgado um novo clip de "The Equalizer", a adaptação cinematográfica da série homónima:


- Já se encontra online o trailer e quatro clips de "Hill of Freedom", o novo filme do prestigiado Hong Sang-soo. O enredo centra-se num jovem japonês que viaja até à Coreia do Sul para encontrar a mulher que não responde às suas cartas.  



- Foi divulgado um novo poster de "Paddington", um filme de animação realizado por Paul King:

- Já se encontra online um teaser poster de "The Cobbler", um filme realizado por Thomas McCarthy ("Win Win"), através do argumento do próprio. "The Cobbler" conta no elenco com Adam Sandler, Dustin Hoffman, Method Man, Melonie Diaz, Ellen Barkin, Dan Stevens, Steve Buscemi, entre outros. O enredo de "The Cobbler" centra-se no sapateiro do título, um indivíduo que tem a estranha habilidade de compartilhar a vida dos clientes enquanto arranja os seus sapatos.


 - Foi divulgado um trailer de "The Rewrite", o novo filme escrito e realizado por Marc Lawrence. O filme conta no elenco com Hugh Grant, Marisa Tomei, Bella Heathcote, Allison Janney, entre outros. O filme tem a seguinte sinopse: Em 1998, Ray Michaels (Grant) estava no topo do Mundo - um inglês sensual e divertido, que tinha acabado de vencer o Óscar de Melhor Argumento Original. Quinze anos depois, Ray encontra-se a padecer de uma grande crise criativa, divorciado e falido. Sem outras opções profissionais, Ray é obrigado a aceitar um emprego para ensinar a escrever argumentos numa pequena escola da Costa Leste dos EUA. Apesar da ideia de ser professor não lhe agradar, este espera ganhar dinheiro com pouco esforço, ao mesmo tempo que espera impressionar as suas colegas de trabalho. O que este não esperava era iniciar um romance com uma mãe solteira que decide regressar aos estudos.



- Foi divulgado um novo trailer de "Foxcatcher", um filme realizado por Bennett Miller:


- Foi divulgado um novo trailer internacional de "Winter Sleep". O filme é realizado por Nuri Bilge Ceylan, através do argumento do próprio e Ebru Ceylan. "Winter Sleep" conta no elenco com Haluk Bilginer, Demet Akbağ, Melisa Sözen, Ayberk Pekcan, Nejat İşler, entre outros. Sinopse (via Cannes): Aydin, um actor reformado, gere um pequeno hotel na Anatólia central com a jovem esposa Nihal, de quem se tem afastado sentimentalmente, e com a irmã Necla que ainda sofre do divórcio recente. No Inverno, com a neve a cobrir pouco a pouco a estepe, o hotel torna-se no refúgio deles mas também no teatro dos seus conflitos...





- Já se encontra online um novo poster e um novo trailer de "Seventh Son", a adaptação cinematográfica do primeiro volume da série literária "The Wardstone Chronicles" da autoria de Joseph Delaney. Intitulado em Portugal, "O Aprendiz de Mago", o livro tem a seguinte sinopse no site da Bertrand: O Aprendiz do Mago conta ao leitor a história de um menino de 13 anos treinado para ser exorcista. Thomas Ward, o sétimo filho de um sétimo filho, foi eleito para exorcizar os maus espíritos e afastar fantasmas. A mãe tinha-lhe confidenciado que ele tinha um dom e por isso seria entregue a um velho mago que o preparasse para enfrentar situações desfavoráveis que se adivinhavam para breve. Um dia o Mago não estava por perto e Thomas caiu numa armadilha. Será que estava preparado para o desafio? Uma estreia auspiciosa de um novo autor de origem inglesa.
O filme é realizado por Sergei Bodrov ("A Yakuza's Daughter Never Cries"), através do argumento de Matt Greenberg e Chuck Leavitt. "The Seventh Son" conta no elenco com Jeff Bridges ("Crazy Heart"), Ben Barnes (“The Chronicles of Narnia”), Julianne Moore ("Chloe"), Alicia Vikander (“The Crown Jewels”), Kit Harington ("Game of Thrones"), Antje Traue ("Man of Steel") e Olivia Williams ("Dollhouse").

Resenha Crítica: "The November Man - A Última Missão"

 Para quê ter um exército quando se pode ter Pierce Brosnan a emular o seu papel de James Bond? "The November Man" recupera os filmes de acção e espionagem em que tínhamos um "one man army" a resolver quase todos os problemas, com Pierce Brosnan a interpretar Peter Devereaux, um antigo agente da CIA que se retirou após uma missão em Montenegro onde o seu companheiro, David Mason, (Luke Bracey), eliminou uma criança por acidente. A narrativa avança cinco anos, com Devereaux a encontrar-se em Lausana, sendo contactado por Hanley (Bill Smitrovich), o seu antigo superior, para ajudar a transportar Natalia Ulanova (Mediha Musliovic), uma antiga namorada do protagonista, que se encontra muito próxima a Arkady Fedorov, um antigo general russo que se prepara para conseguir chegar a Presidente. Estranhamente ou talvez não, vários elementos ligados ao passado negro de Arkady encontram-se a ser eliminados. Natalia descobre informações sobre Mira Filipova, uma refugiada chechena que sabe de elementos que podem desmascar Arkady junto da opinião pública e levá-lo a ser julgado por crimes de guerra, mas também podem envolver inesperadamente a CIA. A personagem interpretada por Mediha Musliovic acaba por ser eliminada por elementos da CIA, com Peter Devereaux a ter de descobrir quem o traiu, tendo ainda de enfrentar David Mason e descobrir Mira Filipova. David e Peter encontram-se ainda na Rússia, com o primeiro a fazer parte da equipa da CIA que tinha ordens para eliminar Natalia, com ambos a pouparem a vida um ao outro, permitindo ao personagem interpretado por Pierce Brosnan deslocar-se a Belgrado. A investigação conduz Peter a Alice Fournier (Olga Kurylenko), uma assistente social que trabalha directamente com elementos que são vítimas de abusos, que pode ter informações sobre Filipova, sendo perseguida por uma assassina russa completamente unidimensional cuja única função na narrativa é eliminar os seus alvos ou quem se envolva no seu caminho. Alice é protegida por Peter, enquanto este procura encontrar Mira Filipova e desmascarar Arkady, tendo ainda de lidar com uma perigosa conspiração no interior da CIA, com o filme a não ter problemas em explorar um lado mais negro desta organização no que diz respeito ao seu envolvimento em Governos estrangeiros e a sua capacidade pouco recomendável de efectuar negócios pouco claros com elementos corruptos. Diga-se que esta abordagem em relação à CIA é um dos poucos pontos positivos de "The November Man", uma obra de espionagem e acção previsível, marcada por vários lugares-comuns do género que são expostos sem uma ponta de criatividade e uma incapacidade notória em explorar os relacionamentos dos personagens, sobressaindo sobretudo devido à presença de Pierce Brosnan. Este interpreta um espião implacável que regressa temporariamente ao activo, num estilo muito "à James Bond", com o actor a mostrar que ainda não perdeu o jeito a interpretar personagens do género, embora o argumento raramente atribua consistência ao personagem e às suas motivações.

 Devereaux mantém uma relação complicada com David Mason, o seu antigo pupilo e companheiro, com o segundo a procurar mostrar que é capaz de superar o protagonista, embora raramente essa situação pareça ser possível (com "The November Man" a procurar explorar o típico confronto entre mestre e pupilo). Luke Bracey não está ao nível de Brosnan mas consegue incutir alguma intensidade a este espião que se deixa muitas das vezes levar pelos impulsos, numa obra onde o elenco secundário raramente tem espaço para sobressair. Veja-se o caso de Lazar Ristovski como Arkady Fedorov, um político russo e antigo militar com um passado negro, surgindo quase sempre como o típico vilão do leste deste tipo de filmes, frio, corrupto e pouco dado a grandes demonstrações de sentimentos. Vale ainda a pena realçar Olga Kurylenko como Alice, uma mulher que guarda alguns segredos em relação ao seu passado e verdadeira identidade, com a relação desta com o protagonista a ser marcada por uma enorme puerilidade (veja-se como esta o segue praticamente do nada, confiando no mesmo sem grandes motivos para isso). "The November Man" é marcado por várias reviravoltas, embora poucas surpreendam, com o realizador Roger Donaldson a elaborar uma obra que parece saída dos anos 80 e um argumento que parece elaborado por um grupo de alunos de uma creche. As cenas de acção, embora longe de serem um primor, até convencem em alguns momentos, com Pierce Brosnan a ser colocado no meio de vários tiroteios e momentos de tensão, enquanto o seu personagem exibe a sua perícia para a espionagem e resolução de casos complicados. Gradualmente também ficamos a conhecer um pouco mais sobre o passado escondido de Devereaux, com o argumento de Michael Finch e Karl Gajdusek a procurar dar alguma densidade a este personagem. Não é James Bond, com o filme a não contar com algum do humor e extravagâncias da saga de 007, mas nem por isso Peter Devereaux deixa de protagonizar algumas proezas aparentemente impossíveis e apresentar algumas mudanças de comportamento que nem sempre fazem a "bota jogar com a perdigota" (a inspiração na saga "Bourne" também parece ser notória). O argumento do filme foi baseado no livro "There Are no Spies" de Bill Granger, o sétimo volume de uma saga literária que se encontra a ser adaptada para resultar numa franquia de espionagem. Note-se que a sequela de "The November Man" já foi anunciada, embora esteja dependente do resultado da bilheteira do primeiro filme. Tendo em conta o resultado final de "The November Man" torna-se complicado perceber o que esta saga pode acrescentar aos filmes do género, com excepção de permitir a Pierce Brosnan exibir que poderia facilmente ter continuado a interpretar James Bond durante mais tempo, com o actor a mostrar um grande à vontade a interpretar este antigo agente secreto que tem de praticamente sozinho resolver um conjunto de situações quase impossíveis. Percebeu-se a ideia de procurar criar uma nova franquia de espionagem, mas nem por isso esta conta com ingredientes que acrescentem algo ao género, embora Pierce Brosnan tenha carisma suficiente para agarrar o enredo deste tipo de obras cinematográficas.

Título original: "The November Man".
Título em Portugal: "The November Man - A Última Missão". 
Realizador: Roger Donaldson. 
Argumento: Michael Finch e Karl Gajdusek.
Elenco:  Pierce Brosnan, Luke Bracey, Olga Kurylenko, Eliza Taylor, Caterina Scorsone, Bill Smitrovich, Will Patton.

27 agosto 2014

Resenha Crítica: "Magic in the Moonlight" (Magia ao Luar)

 Com um conjunto de diálogos refinados muito ao jeito de Woody Allen, "Magic in the Moonlight" exibe mais uma vez a perícia de um dos grandes realizadores do nosso tempo, que mesmo numa obra que tem vindo a ser injustamente considerada de menor é capaz de dar mais do que muitas obras maiores de vários cineastas. Woody Allen coloca-nos perante uma história que fica entre o pragmatismo e o romantismo, entre o ateísmo e a fé, entre a magia e o realismo, cabendo um pouco a Colin Firth emular o estilo do cineasta, com os diálogos do seu personagem a parecerem muitas das vezes provenientes "da boca" do realizador. Veja-se quando ironiza com os fãs que pedem autógrafos, mas também o seu pragmatismo e cultura refinada, entre vários outros elementos, com Colin Firth a interpretar com grande estilo o mágico Stanley Crawford, um indivíduo conhecido em todo o mundo, actuando como Wei Ling Soo (a fazer recordar o hábito de elementos ocidentais a imitarem orientais, veja-se o caso de Peter Lorre na saga de "Mr. Moto"). A primeira vez que encontramos Stanley, este encontra-se a dar um espectáculo recheado de glamour e exotismo em Berlim, em 1928, despertando a atenção de um público que parece desprezar. Stanley é um indivíduo cínico, pouco dado a grandes amizades, capaz de maltratar os seus colaboradores e ironizar com tudo aquilo que despreza, incluindo a fé, religião e espiritismo. Este também é um mestre a desvendar burlas relacionadas com espiritismo, algo que o conduz a ser convidado pelo seu amigo e colega Howard Burkan (Simon McBurney) para desmascarar Sophie (Emma Stone), uma psíquica que supostamente anda a enganar os Catledge, uma rica família dos EUA que vive no paradisíaco território da Côte d'Azur (Woody Allen de regresso aos territórios europeus). Brice (Hamish Linklater), o filho mais novo dos Catledge, apaixona-se por Sophie, enquanto Grace (Jacki Weaver), a mãe do jovem, fica convencida que pode contactar com o esposo através desta mulher. Caroline (Erica Leerhsen), a irmã de Brice e George (Jeremy Shamos), o marido desta, desconfiam de Sophie, contactando Howard, embora este não consiga desmascarar a suposta medium. É então que Stanley decide viajar até à mansão dos Catledge, deixando a sua noiva de lado, enquanto se aventura com todo o seu cepticismo e humor negro, procurando não ter contemplações com esta suposta charlatona (e pouca paciência para quem se acredita na mesma). 

O cenário com que Stanley se depara em França é marcado por toda uma iluminação e cor que contrastam com o cinzentismo e conservadorismo da sua personalidade. Diga-se que Stanley e Sophie são duas figuras completamente antagónicas. Ela veste-se quase como se fosse uma boneca de pano, apresentando uma personalidade que varia entre o discurso da banha da cobra e o naïve, com Emma Stone a conseguir expressar sem grandes problemas todas as bizarrias que envolvem esta colorida e extravagante personagem que facilmente encantam e convencem aqueles que estão à sua volta. Ele é um mágico que confia apenas naquilo que pode ver e controlar (sendo um mestre da arte da ilusão), disparando falas sardónicas sem grandes problemas, considerando esta mulher uma fraude, embora gradualmente se deixe envolver pela presença da mesma e se deixe surpreender pela capacidade de Sophie em descobrir elementos sobre a sua vida. Precisaremos todos nós de alguma incerteza e crença no impossível nas nossas vidas? Esta parece ser uma questão que atravessa a narrativa de "Magic in the Moonlight", enquanto Woody Allen nos deixa perante a oposição entre o pragmatismo e a crença, sempre com alguns diálogos afiados e prontos a fazerem-nos rir com algum do humor negro presente nos mesmos. Sobretudo os diálogos proferidos por Colin Firth, cuja interacção com a personagem interpretada por Emma Stone permite alguns dos melhores momentos do filme (a diferença de idade não é problema para uma relação, se ambos forem maiores). Firth atribui um refinado humor negro ao seu personagem, conseguindo expressar as falas no timing certo para que causem efeito e exibam Stanley como um indivíduo egocêntrico, pouco dado a grandes amizades, pomposo e acompanhado por uma enorme classe. Stanley é um homem de sucesso, enquanto Sophie é uma mulher que ganha a vida como medium, com o filme a procurar evidenciar que as dificuldades que esta sentiu podem tê-la compelido a seguir para esta profissão, tendo na sua mãe uma figura protectora (por vezes em demasia). Ficamos perante dois protagonistas bem construídos, mas também com alguns elementos secundários que sobressaem pela positiva, em particular a Tia Vanessa (Eileen Atkins), uma familiar muito próxima de Stanley, que este visita com a companhia de Sophie, tendo em vista a procurar desmascarar este jovem que se encontra prestes a ficar noiva de Brice. Este é um indivíduo que gosta de tocar serenatas num ukulele, que venera Sophie e nunca coloca o carácter desta em causa, pensando, em conjunto com Grace, abrir uma fundação para a personagem interpretada por Emma Stone e a mãe desta (Marcia Gay Harden) poderem administrar. 

Parece certo que a relação entre Sophie e Brice tem tudo para não dar certo, com a personalidade apagada do segundo a contrastar com a peculiaridade da primeira, uma mulher que acaba por se aproximar  do homem que a pretende desmascar. Existe um momento particularmente belo no filme, onde a personagem interpretada por Emma Stone e Stanley ficam juntos num centro de observação, sobressaindo a lua, dando um tom algo romântico a uma relação que gradualmente conhece momentos mais cândidos. Na prática seria aparentemente impossível que dois seres humanos com personalidades tão distintas parecessem formar alguma intimidade, mas Woody Allen facilmente nos exibe que no cinema, tal como na vida, nem tudo pode, nem deve, ser linear e explicado (apesar do enredo estar longe de ser imprevisível). A banda sonora, marcada por alguns temas de jazz e música clássica, exibe o bom gosto de Woody Allen para a música e a capacidade de utilizá-la ao serviço do enredo, ao mesmo tempo que beneficia de contar com um director de fotografia como Darius Khondji para incrementar esta agradável obra cinematográfica e exacerbar a beleza dos cenários exteriores onde somos colocados perante a bela Côte d'Azur e os cenários interiores onde se nota todo um cuidado na decoração dos espaços (para além de uma aprumada utilização da paleta cromática). Veja-se desde logo o número inicial marcado pelo exotismo do espectáculo de Stanley, mas também toda a mansão espaçosa dos Catledge, luxuosamente ornamentada, palco de um baile muito "à Gatsby". Existe ainda todo um cuidado no guarda roupa, pronto a dar o tom de época do filme, sobressaindo sobretudo a dicotomia entre as vestes coloridas de Sophie e as roupas clássicas de Stanley (quase sempre com um fato). A certa altura do filme começamos a ver Stanley também com um fato branco, algo que evidencia uma maior abertura em relação a Sophie, mas também uma possível mudança comportamental, com o filme a apostar muito no explorar deste contraste entre os crentes e os não crentes. No final, fica a certeza que Woody Allen continua a manter uma enorme capacidade para criar histórias marcadas por diálogos com algum brilhantismo, sempre com um humor muito próprio e uma capacidade única para extrair o que de melhor os seus actores têm para dar. Não é o melhor Woody Allen? Até pode não ser, mas certamente é uma das obras cinematográficas mais agradáveis que estrearam nas salas de cinema portuguesas no Verão de 2014.

Título original: "Magic in the Moonlight".
Título em Portugal: "Magia ao Luar".
Realizador: Woody Allen.
Argumento: Woody Allen.
Elenco: Emma Stone, Colin Firth, Hamish Linklater, Marcia Gay Harden, Jacki Weaver, Erica Leerhsen, Eileen Atkins, Simon McBurney

Estreias da Semana - 28 de Agosto de 2014

 Boa Noite, caros leitores e leitoras. Bem-Vindos a mais um texto sobre as estreias semanais. As estreias da semana ficam marcadas pela (re)abertura do Cinema Ideal, que procura trazer uma lufada de ar fresco ao panorama cinematográfico nacional, algo que comprova com as suas obras de abertura: "E Agora? Lembra-me", um documentário realizado por Joaquim Pinto, bem como a reposição do magnífico "The Searchers" de John Ford. A semana fica ainda marcada pela estreia de "Wish I Was Here", o novo filme escrito e realizado por Zach Braff, com o cineasta a elaborar uma obra cinematográfica agradável, embora esta seja um retrocesso em relação a "Garden State". Temos ainda "Sin City: A Dame to Kill For", uma desnecessária sequela de "Sin City", que não tem convencido o público (fracassou de forma estrondosa na semana de estreia) e a crítica. Por fim, estreiam ainda a comédia "Let's Be Cops" (Armados em Polícias) e o drama adolescente "If I Stay" (Se Eu Ficar).

Perdoem todos os outros estreantes, mas o primeiro destaque da semana é "A Desaparecida" (The Searchers"), uma das grandes obras-primas de John Ford e um exemplar memorável do que de melhor o cinema tem para nos dar, tendo sido eleito o sétimo melhor filme de todos os tempos pela revista Sight and Sound, publicação do British Film Institute. No filme, John Wayne interpreta Ethan, um ex-solddo que procura durante cinco anos a sobrinha Debbie, raptada pelos Comanches. Ethan não sucumbirá a nada para devolver Debbie a casa. O filme é realizado por John Ford, através do argumento de Frank S. Nugent. "The Searchers" conta no elenco com John Wayne, Jeffrey Hunter, Vera Miles, Ward Bond, Natalie Wood.

Trailer de "The Searchers":




 O segundo destaque vai para "E Agora? Lembra-me", um documentário realizado por Joaquim Pinto. O filme estreou internacionalmente no Festival de Locarno onde conquistou o Prémio Especial do Júri e o Prémio da Crítica Internacional (Fipresci), tendo posteriormente sido exibido em diversos certames. "E Agora? Lembra-me" foi distinguido com "Grande Prémio Cidade de Lisboa" no DocLisboa, o "Prémio de Melhor Filme" no Festival de Valdivia e o "Grande Prémio" nos Encontros Internacionais do Documentário de Montréal.
 Sinopse: "E Agora? Lembra-me" é uma reflexão aberta e eclética sobre o tempo e a memória, as epidemias e a globalização, a sobrevivência para além do expectável, a dissensão e o amor absoluto. O caderno de apontamentos de um ano de ensaios clínicos com drogas tóxicas e ainda não aprovadas para o VHC. Num vai e vem entre o presente e o passado, o filme é também um tributo aos amigos que partiram e aos que permanecem. Vale a pena salientar que "A sessão inaugural do Cinema Ideal (Rua do Loreto 15/17), na quinta-feira, dia 28 de Agosto, às 21h15, contará com a presença do realizador Joaquim Pinto. No dia seguinte, sexta-feira (29 de Agosto), a sessão das 21h15 será apresentada por António Guerreiro, enquanto que no sábado (30), à mesma hora, o crítico de cinema João Lopes falará sobre a obra do realizador. Na segunda-feira, dia 1 de Setembro, será o Padre José Tolentino Mendonça que apresentará a sessão do filme às 21h15 e no dia seguinte, terça-feira (2 de Setembro), à mesma hora, a sessão será apresentada pela realizadora Rita Azevedo Gomes com quem Joaquim Pinto colaborou. No domingo, dia 31 de Agosto, a sessão das 15h45 será seguida de um debate com a Drª Maria José Campos e a bilheteira dessa sessão reverterá a favor do GAT, Grupo Português de Ativistas sobre Tratamentos de VIH/SIDA - Pedro Santos".

Trailer de "E Agora? Lembra-Me":




 O terceiro destaque vai para "Wish I Was Here", que em Portugal conta com o título "Dava Tudo Para Estar Cá". O filme foi realizado por Zach Braff, através do argumento do próprio e Adam Braff. "Wish I Was Here" conta no elenco com Zach Braff, Josh Gad, Ashley Greene, Kate Hudson, Joey King, Mandy Patinkin, entre outros.
 Sinopse: DAVA TUDO PARA ESTAR CÁ conta a história de Aidan Bloom (Zach Braff), um ator sem perspetiva de carreira, marido e pai, que aos 35 anos de idade ainda procura o seu verdadeiro lugar na vida. Ele e a mulher vivem dificuldades financeiras, e não ajuda o fato de Aidan passar grande parte do tempo a imaginar ser um futurista cavaleiro espacial, um sonho que tem desde pequeno.
Quando o seu pai doente deixa de poder pagar a escola privada dos dois netos, e com a única escola pública disponível decrépita, Aidan relutantemente concorda em tentar ensinar os filhos em casa. O resultado é caótico, até que Aidan decide abandonar o currículo académico tradicional e adotar um da sua criação. Ao ensinar aos filhos o significado da vida, Aidan descobre gradualmente partes de si próprio que ainda desconhecia.

"Wish I Was Here" já conta com crítica no Rick's Cinema: http://bogiecinema.blogspot.pt/2014/08/resenha-critica-wish-i-was-here-dava.html 




O quarto destaque vai para "Sin City: A Dame to Kill For", a sequela manhosa de "Sin City". O filme é realizado por Robert Rodriguez e Frank Miller, através do argumento deste último. "Sin City: A Dame to Kill For" conta no elenco com Mickey Rourke, Jessica Alba, Josh Brolin, Joseph Gordon-Levitt, Rosario Dawson, Bruce Willis, Eva Green, Powers Boothe, Dennis Haysbert, Ray Liotta, Jaime King, Christopher Lloyd, Jamie Chung, entre outros.
 O filme tem a seguinte sinopse: SIN CITY MULHER FATAL junta duas histórias clássicas de Miller com novos contos, onde os cidadãos mais difíceis da cidade cruzam-se com alguns dos seus habitantes mais terríveis.

Crítica a "Sin City: A Dame to Kill For":  http://bogiecinema.blogspot.pt/2014/08/resenha-critica-sin-city-dame-to-kill.html

 Trailer de "Sin City: A Dame to Kill For":



Estreiam ainda "If I Stay", um filme protagonizado por Chloe Moretz e realizado por R.J. Cutler, para além de "Let's Be Cops", uma obra cinematográfica que conta com a realização de Luke Greenfield.

Notícias - 27 de Agosto de 2014

- O Deadline noticiou que a Sony Pictures e a Imagine Entertainment já marcaram a data do início das filmagens de "Inferno", uma obra baseado no livro homónimo de Dan Brown. As filmagens da terceira obra cinematográfica protagonizada por Robert Langdon vão começar em Abril. A mesma fonte salienta que Tom Hanks irá voltar a dar vida a Robert Langdon, enquanto que Ron Howard volta a ficar com o cargo de realizador de um filme da saga. "Inferno" é a terceira adaptação da saga literária protagonizada por Robert Langdon, criada por Dan Brown. O livro tem a seguinte sinopse (via Wook):
 «Procura e encontrarás.» É com o eco destas palavras na cabeça que Robert Langdon, o reputado simbologista de Harvard, acorda numa cama de hospital sem se conseguir lembrar de onde está ou como ali chegou. Também não sabe explicar a origem de certo objeto macabro encontrado escondido entre os seus pertences. Uma ameaça contra a sua vida irá lançar Langdon e uma jovem médica, Sienna Brooks, numa corrida alucinante pela cidade de Florença. A única coisa que os pode salvar das garras dos desconhecidos que os perseguem é o conhecimento que Langdon tem das passagens ocultas e dos segredos antigos que se escondem por detrás das fachadas históricas. Tendo como guia apenas alguns versos do Inferno, a obra-prima de Dante, épica e negra, veem-se obrigados a decifrar uma sequência de códigos encerrados em alguns dos artefactos mais célebres da Renascença - esculturas, quadros, edifícios -, de modo a poderem encontrar a solução de um enigma que pode, ou não, ajudá-los a salvar o mundo de uma ameaça terrível…

Vem aí mais um remake completamente desnecessário. A Fox 2000 contratou James Ellroy para este escrever o argumento do remake de "Laura", um dos mais memoráveis filmes noir da História do Cinema. O filme original foi realizado por Otto Preminger, tendo como protagonistas Dana Andrews e Gene Tierney.

- Lake Bell vai realizar a adaptação cinematográfica do livro "The Emperor’s Children", escrito por Claire Messud. O argumento foi escrito por Noah Baumbach. O enredo de "The Emperor's Children" acompanha três amigos na casa dos trinta anos que vivem em Nova Iorque nos meses que antecedem o 11 de Setembro de 2001.

- Foi divulgado um trailer da adaptação cinematográfica de "Trash". O filme é realizado por Stephen Daldry ("Extremely Loud & Incredibly Close"), através do argumento de Richard Curtis.  "Trash" conta no elenco com Martin Sheen ("The West Wing"), Rooney Mara ("The Girl With the Dragon Tattoo"), Wagner Moura ("Elysium"), Selton Mello ("O Palhaço"), Rickson Tevez, Eduardo Luís, Gabriel Weinstein, entre outros. O argumento de "Trash" foi baseado no livro homónimo escrito por Andy Mulligan. O livro tem a seguinte sinopse (via Bertrand): Raphael, Gardo e Ratazana vivem em Behala, uma lixeira de proporções inimagináveis num país do Terceiro Mundo. Todos os dias, a sua vida resume-se a passar a pente fino os detritos provenientes da cidade na esperança de encontrarem algo que possa ser vendido. Um dia, descobrem uma pequena mala de cabedal que contém dinheiro e alguns documentos pessoais. Mas a polícia também está interessada em ficar com a mala, e os três rapazes dão por si a ser perseguidos à medida que tentam desvendar um caso de corrupção que envolve as mais altas esferas da sociedade.



- Foi divulgado um novo trailer internacional de "Son of a Gun", um filme realizado por Julius Avery ("Jerrycan"). O filme conta no elenco com Brenton Thwaites, Ewan McGregor, Alicia Vikander.  O enredo de "Son Of a Gun" acompanha a complicada relação entre JR (Thwaites), um indivíduo que foi preso devido a um pequeno crime e Brendan Lynch (McGregor), um criminoso poderoso que oferece protecção ao primeiro se este posteriormente ajudá-lo a sair da prisão. A relação entre os dois começa a deteriorar-se quando os planos do grupo criminoso liderado por Brendan não começam a dar certo.




- Foi divulgado um novo trailer e um novo poster de "Horns", um filme protagonizado por Daniel Radcliffe:
O filme é realizado por Alexandre Aja, através do argumento de Keith Bunin. "Horns" conta no elenco com Juno Temple ("The Three Musketeers"), Joe Anderson ("The Grey"), Kelli Garner ("The Lie"), Daniel Radcliffe ("Harry Potter"), Max Minghella ("The Darkest Hour"), James Remar ("Dexter"). A história centra-se em Ig Perrish (Radcliffe), um indivíduo que acorda com dois chifres na sua cabeça. Os chifres estão de alguma maneira ligados ao assassinato da namorada de Perrish.


 
- Já se encontra online um novo poster de "The Judge". "The Judge" é realizado por David Dobkin ("The Wedding Crashers"), através do argumento de Nick Schenk. A obra conta no elenco com Robert Duvall, Vera Farmiga, Vincent D'Onofrio, Jeremy Strong, Dax Shephard, Billy Bob Thornton, Melissa Leo, Ken Howard, Emma Tremblay, Balthazar Getty, David Krumholtz, Sarah Lancaster, Robert Downey Jr. ("Iron Man"), entre outros.

O enredo de "The Judge" centra-se num advogado de sucesso (Downey Jr.) que regressa à sua cidade natal para o funeral da mãe. No entanto, o advogado acaba por descobrir que o pai, um juiz, é o principal suspeito de um assassinato. Perante esta situação, o protagonista é obrigado a defender o pai em tribunal, ao mesmo tempo que procura melhorar como pessoa.

- Foi divulgada uma nova imagem de "Serena", um filme realizado por Susanne Bier ("In a Better World"), através do argumento de Chris Kyle. O filme conta no elenco com Bradley Cooper ("The A-Team") e Jennifer Lawrence ("The Hunger Games"), Rhys Ifans ("The Amazing Spider-Man") e Toby Jones ("Captain America: The First Avenger").
 O enredo de "Serena" é inspirado no livro "Serena: A Novel", da autoria de Ron Rash. A história desenrola-se em 1929, e acompanha George e Serena Pemberton, um casal recém-casado que sai do ambiente cosmopolita de Boston, para as montanhas da Carolina do Norte, tendo em vista o inicio de um negócio no ramo da madeira. George já tinha vivido no campo, onde teve um filho ilegítimo, com outra mulher. Serena, por sua vez, é nova na vida campestre e prova ser tão competente nas funções, como qualquer homem, a ponto de salvar a vida do marido, num acidente que este teve. No entanto, ao descobrir que é estéril, Serena perda a calma e fica determinada a matar o filho que George teve com outra mulher.

Foi divulgado o primeiro clip do promissor "99 Homes", o novo filme do realizador Ramin Bahrani ("At Any Price"). O enredo acompanha um indivíduo desempregado (Andrew Garfield) que procura não perder a sua casa. Este é praticamente obrigado a colaborar com um investidor imobiliário corrupto (Michael Shannon).

A Variety noticiou que a Warner Bros. encontra-se a desenvolver “Acme”, uma filme derivado do universo narrativo dos Looney Tunes. Especula-se que o filme vai mesclar actores reais e animação, parecendo certo que Steve Carell vai protagonizar a nova obra cinematográfica dos Looney Tunes. O argumento está a cargo de Ashley Miller e Zack Stentz ("X-Men: First Class"). Glenn Ficarra e John Requa ("Crazy Stupid Love”) encontram-se em negociações para protagonizarem o filme. 

26 agosto 2014

Notícias - 26 de Agosto de 2014

- Já são conhecidos os vencedores da edição de 2014 dos Emmy Awards. "Breaking Bad" venceu o prémio de Melhor Série de Drama, enquanto que "Modern Family" venceu na categoria de Melhor Série de Comédia. A lista completa pode ser consultada em: Omelete.

- Foi divulgado um TV Spot do promissor "Gone Girl", o novo filme realizado por David Fincher. O argumento de "Gone Girl" ficou a cargo de Gillian Flynn (a autora do livro no qual o filme é inspirado).



- O The Hollywood Reporter noticiou que Chris Hemsworth ("Thor") e Charlie Day ("Horrible Bosses 2") encontram-se em negociações para juntarem-se a Christina Applegate ("Up All Night") e Ed Helms ("The Hangover") no elenco da sequela/reboot de "Vacation". O filme vai ser realizado por John Francis Daley e Jonathan Goldstein, através do argumento dos próprios. O enredo do novo filme irá desenrolar-se vários anos depois dos eventos do primeiro filme e acompanha Rusty Griswold, um pai de família que decide levar a mulher e os filhos para uma viagem em direcção ao Wally World, antes que este feche para sempre. Chevy Chase deverá regressar para interpretar Clark Griswold, agora um avô.

- Foi divulgado um novo trailer de "Exists", um filme realizado por Eduardo Sánchez ("The Blair Witch Project"). O enredo acompanha um grupo de amigos que acampa numa floresta do Texas, um local onde os elementos vão ser perseguidos pelo Bigfoot.



- Foram divulgadas três novas imagens de "Still Alice", a adaptação cinematográfica de "Still Alice", um livro escrito por Lisa Genova. O filme é escrito e realizado por Richard Glatzer e Wash Westmoreland (dupla de “The Last of Robin Hood”). "Still Alice" conta no elenco com Kristen Stewart, Alec Baldwin, Kate Bosworth, Julianne Moore, entre outros.
 "Still Alice" foi publicado em Portugal com o título "Ainda Alice" e conta com a seguinte sinopse (via Wook): O mundo de Alice é perfeito. Professora numa conceituada universidade, é feliz com o marido, os filhos, a carreira. E tem uma mente brilhante, admirada por todos, uma mente que não falha… Um dia, porém, a meio de uma conferência, há uma palavra que lhe escapa. É só uma palavra, um brevíssimo lapso. Mas é também um sinal de que o mundo de Alice começa a ruir.
Seguem-se as idas ao médico e, por fim, a certeza de um diagnóstico terrível. Aos poucos, Alice vê a vida a fugir-lhe. Amada pela família, unida à sua volta, é ela que se afasta, suavemente arrastada para o esquecimento, levada pela Alzheimer.
Ainda Alice é a narrativa trágica, dolorosa, de uma descida ao abismo, o retrato de uma mulher indomável, em luta contra as traições da mente, tenazmente agarrada à ideia de si mesma, à memória de uma vida e de um amor imenso.

- Já se encontra online um poster italiano de "Jimi: All Is By My Side", um filme biográfico sobre Jimi Hendrix:

- "Jimi: All Is By My Side" não foi o único filme a ter direito a um novo poster. Foi divulgado um poster de "Foxcatcher" centrado no personagem interpretado por Steve Carell. "Foxcatcher" é realizado por Bennett Miller ("Moneyball"), através do argumento de E. Max Frye e Dan Futterman ("Capote"). O filme conta no elenco com Mark Ruffalo ("The Avengers"), Steve Carell ("The Office"), Channing Tatum ("Magic Mike"), Sienna Miller ("Yellow") e Anthony Michael Hall ("Weird Science").
O enredo de "Foxcatcher" é inspirado numa história verídica, nomeadamente, no assassinato de um atleta olímpico de luta greco-romana às mãos do paranoico John du Pont. A história acompanha John du Pont, o herdeiro de uma fortuna considerável que decide abrir um ginásio destinado aos praticantes de luta greco-romana chamado Team Foxcatcher. Em 1996, este assassinou a tiro David Schultz, atleta olímpico e medalha de ouro. A polícia nunca conseguiu estabelecer uma causa para este crime, tendo a esquizofrenia de John du Pont sido apontada como uma das causas.

- Post em actualização.

Resenha Crítica: "Sin City: A Dame to Kill For" (Sin City: Mulher Fatal)

 Confesso que a certa altura de "Sin City: A Dame to Kill For" comecei a imaginar os executivos do estúdio a falarem com Frank Miller e Robert Rodriguez a procurarem perceber o que estes tinham para dar de novo em relação ao filme anterior. Perante um rotundo nada, imagino ainda Miller e Rodriguez a acrescentarem nos rabiscos: "mostrar as mamas da Eva Green, colocar esta nua a sair da piscina, colocar a personagem desta a fornicar mais do que uma vez, deixar a actriz com um vestido transparente para se verem os seios". Perante ainda alguma indecisão estou a ver a dupla a adicionar "colocar a Jessica Alba a abanar o rabo repetidas vezes, mostrar as mamas da Juno Temple, aumentar as frases de efeito e fingir que estamos a elaborar a sequela para acrescentar algo ao filme anterior". Por muito agradável que seja ver Eva Green a exibir os seus magníficos atributos físicos (a cena na piscina até é marcada por alguma beleza) e ver Jessica Alba a exibir os talentos corporais que não apresenta para a representação, não deixa de ser notório que Frank Miller e Robert Rodriguez por vezes parecem confundir fetiches pessoais com elementos relevantes para o filme, traindo até um pouco as raízes noir da franquia, onde muito era deixado subentendido e para a imaginação do espectador nas obras deste subgénero (não era por isso que Veronica Lake, Lauren Bacall, Barbara Stanwyck, entre outras, eram menos veneradas, bem pelo contrário). Diga-se que deveria de existir uma regra de ouro obrigatória que obrigasse cada elemento do elenco de um filme, o seu argumento e realizador a estarem à altura de Eva Green. Em "300: Rise of an Empire" foi Eva Green quem contribuiu maioritariamente para elevar um pouco um filme algo desequilibrado. Em "Sin City: A Dame to Kill For", Eva Green contribui para dar alguma classe e carisma a uma sequela por vezes marcada pela vulgaridade que não acrescenta praticamente nada ao filme original (não falamos desta em "Penny Dreadful" porque deve ser o melhor trabalho que a actriz integrou em 2014). Eva Green interpreta Ava Lord, uma mulher que utiliza o seu corpo e a sua capacidade de sedução para atrair os homens em "A Dame to Kill For", um dos quatro capítulos do filme (que repete praticamente a estrutura de "Sin City"). Não vale a pena tentar pensar nesta como uma femme fatale semelhante às dos vários filmes noir dos anos 40 e 50 (embora tenha sido inspirada nas mesmas), pois Robert Rodriguez deixa muito pouco para a nossa imaginação funcionar, mas nem por isso Eva Green deixa de conseguir atribuir algum mistério e safadeza à sua personagem. Entre os homens que esta consegue enganar encontra-se Dwight McCarthy (Josh Brolin, interpretado por Clive Owen no primeiro filme), um detective privado que encontramos inicialmente a fotografar um marido infiel (um Ray Liotta em overacting). Dwight outrora tivera um caso com Ava Lord, uma mulher que nos dias de hoje é casada com Damien Lord (Marton Csokas), um indivíduo poderoso que supostamente a maltrata.

Após uma tórrida noite de sexo, Dwight depara-se com o facto de Manute (Dennis Haysbert), um segurança de Damien, transportar esta para casa. Pensando que Ava se encontra a ser alvo de maus tratos, Dwight embebeda Marv (Mickey Rourke) para despertar o lado mais violento deste e invadir a casa do marido da femme fatale, acabando por eliminar Damien e descobrir que foi enganado pela amada, algo que coloca a sua vida em perigo. Este é provavelmente o segmento de maior relevo do filme, com Eva Green a destacar-se como esta mulher cujos olhos verdes e lábios pintados de vermelho sobressaem numa obra maioritariamente a preto e branco. Robert Rodriguez e Frank Miller voltam a utilizar a cor para realçar alguns elementos deste filme a preto e branco, repetindo algo elaborado no primeiro filme, tal como voltam a utilizar cenários criados a nível digital, procurando evocar uma atmosfera dos espaços citadinos marcados pela insegurança dos filmes noir, embora nem sempre consigam alcançar esse desiderato. Nos filmes noir tínhamos personagens cínicos e algo solitários, diálogos mordazes, femme fatales misteriosas, alguma imoralidade, espaços citadinos marcados por uma atmosfera de malaise, mas muito era sugerido ao espectador, deixando a imaginação do mesmo a funcionar. Não tínhamos cenas de sexo explícitas, mas nem por isso estas deixavam de ser sugeridas, criando-se algum mistério e incutindo classe a um conjunto de obras em que por vezes até o fumo dos cigarros tinha um papel de relevo na narrativa. Veja-se em "Out of the Past" em que o fumo dos cigarros por vezes até chega a traduzir um estado de espírito dos personagens, algo que não acontece em "Sin City: A Dame to Kill For", onde o fumo surge mais para dar estilo e evocar essa aura noir do que propriamente para servir o enredo. "Sin City: A Dame to Kill For", tal como o seu antecessor, procura evocar a estética das graphic novels de Frank Miller, nas quais foram, em parte, baseados os filmes da franquia, explorando a sua faceta pulp noir, numa obra cinematográfica onde não faltam personagens atormentados, mortes violentas, órgãos decepados, violência explícita, sexo, mulheres fatais, prostitutas, autoridades corruptas, muita pancadaria e tiroteios. Parte destes elementos são encontrados em "A Dame to Kill For", onde Josh Brolin também consegue ter algum destaque, mas também nos restantes segmentos. Em "Nancy's Last Dance", Nancy Callahan (Jessica Alba) lida com as consequências dos acontecimentos do primeiro filme, incluindo o suicídio de Hartigan (Bruce Willis), o seu protector, um indivíduo que lhe aparece nas suas alucinações. Nancy continua a trabalhar como stripper, com Robert Rodriguez a repetir variadas vezes o gesto da personagem a abanar o rabo, permitindo a Jessica Alba expor os talentos físicos (se os tivesse de igual modo para a representação teríamos aqui uma boa actriz). A personagem interpretada por Jessica Alba procura vingar-se do Senador Roark (Powers Boothe), um político corrupto e influente que procurou incriminar Hartigan pelos crimes cometidos pelo seu filho em "Sin City".

Nancy conta com a ajuda de Dwight, com o personagem interpretado por Mickey Rourke a ser uma desilusão neste filme. Se em "Sin City" procurava vingar a morte de Goldie (Jamie King), em "Sin City: A Dame to Kill For" é um brutamontes pronto para a pancadaria, surgindo como um personagem caricatural que regrediu em relação ao primeiro filme. Diga-se que em "Sin City: A Dame to Kill For" pouco contribuiu para um maior conhecimento ou crescimento dos personagens que permaneceram do filme anterior. Essa situação é visível com Nancy, Gail (Rosario Dawson), Hartigan, Roark (Powers Boothe), entre outros. Os homens são expostos como personagens atormentados e solitários, embora estejamos longe de ter um Marvin a procurar descobrir o assassino de uma prostituta em "Sin City" ou um Hartigan a procurar proteger uma jovem de um violador mesmo que para isso tenha de enfrentar tudo e todos. Nesse sentido, um dos elementos que mais fracassa em "Sin City: A Dame to Kill For" é a sua incapacidade de criar histórias com algum interesse, com excepção de "A Dame to Kill For". Falta alguma da densidade e das motivações fortes dadas aos personagens masculinos do primeiro filme que, na maioria dos casos, procuravam defender as figuras femininas. É por esta situação que "A Dame to Kill For" acaba por funcionar e, apesar de todas as liberdades, respeitar mais o universo noir no qual se integra o filme. Dwight procura defender a femme fatale mas acaba por ser traído por esta, acabando por posteriormente ter de lutar pela sobrevivência e vingar-se de quem o traiu. Já no segmento protagonizado por Jessica Alba e Mickey Rourke, ficamos imenso tempo para uma história que se resume a esta se encontrar atormentada pela morte de Hartigan e procurar eliminar Roark, enquanto Marv surge como o seu protector. As mulheres, com excepção da personagem interpretada por Eva Green (e mesmo esta é tratada como um objecto de desejo, embora esteja quase sempre no controlo), surgem quase todas representadas como prostitutas ou strippers, num universo narrativo marcado pela corrupção das almas e dos corpos, onde a imoralidade se encontra na ordem dia. Entre essas "mulheres-objecto" encontra-se Marcy (Julia Garner), uma stripper que é considerada um amuleto no jogo por Johnny (Joseph Gordon-Levitt), um jogador competente que procura vencer o senador Roark no póquer, despertando a ira deste político poderoso. Joseph Gordon-Levitt atribui alguma confiança e carisma a Johnny, concedendo alguma dimensão a este personagem que habita esta narrativa violenta, sendo alvo de tortura e envolvendo-se em situações deveras perigosas. Temos ainda "Just Another Saturday Night", um pequeno capítulo onde Marv tem de lidar com a incapacidade de se recordar de alguns acontecimentos recentes e enfrentar um grupo de jovens violentos. 

Um dos elementos que me agradou em "Sin City" foi a sua capacidade de transportar de forma relativamente competente a estética das graphic novels e a atmosfera pulp noir para o grande ecrã, sempre sem procurar grandes realismos e até a procurar o choque junto do espectador devido à sua violência exacerbada. Em "Sin City: A Dame to Kill For" esse factor de novidade já não existe e Robert Rodriguez e Frank Miller não parecem ter recursos para nos dar algo que não pareça um produto reciclado que praticamente não acrescenta nada ao filme original, perdendo até alguma da irreverência do mesmo. A violência estilizada está lá, os personagens problemáticos também, para além de uma atmosfera negra latente, mas o argumento parece bastante mais frágil e a espaços o aparente estilo de "Sin City: A Dame to Kill For" torna-se mais entediante do que entusiasmante, faltando muitas das vezes tensão e vida aos seus segmentos. A falta de subtileza de Robert Rodriguez e Frank Miller nem é o maior dos problemas, sobretudo se pensarmos que o primeiro filme estava longe de ser uma obra que primasse pela mesma, mas sim o argumento que nos dá quatro capítulos dos quais apenas um realmente parece devidamente trabalhado e pensado (ou será que Eva Green e Josh Brolin nos enganam?). Falta ainda a estes segmentos alguma da extravagância do primeiro filme (e capacidade de se assumir como algo que não podemos levar totalmente a sério), onde tínhamos Elijah Wood como um psicopata canibal, Nick Stahl como um frio violador e assassino de tez amarela, para além de um aproveitamento da Antiga Cidade dominada pelas prostitutas onde assistimos a uma chacina sangrenta. A dupla desperdiça ainda nomes do elenco secundário, tais como Rosario Dawson (que até tinha alguma relevância no segmento "The Big Fat Kill" do primeiro filme), Ray Liotta, Marton Csokas, Juno Temple (está lá para mostrar os seios), entre outros. Já Eva Green brilha mais alto do que todos os elementos, elevando o nível de uma sequela que está longe de ser uma nulidade, mas nem por isso deixa o amargo sabor de pouco acrescentar ao filme original. É certo que voltamos a ter um universo narrativo pulp noir violento, imoral, personagens atormentados, mas falta a frescura daquele que foi uma interessante adaptação de uma graphic novel ao grande ecrã. Temos ainda a narração dos protagonistas que procura evocar os filmes noir, mas Robert Rodriguez esquece-se mais uma vez que esta técnica tem de acrescentar algo e não ser redundante e a espaços intrusiva, algo que acontece mais do que deveria ao longo deste filme que repetidamente nos procura exibir que a cidade do título é um local capaz de corromper tudo e todos. "Sin City: A Dame to Kill For" entretém em alguns momentos, mas raramente justifica a sua existência, limitando-se a dar mais do mesmo, algo que não é péssimo apesar de estar longe de satisfazer por completo, embora a interpretação de Eva Green por si só justifique em pleno o preço do bilhete de cinema. Pelo lado positivo, Frank Miller já pode terminar a carreira na Sétima Arte e dizer que não teve "The Spirit" como último trabalho cinematográfico.

Título original: "Sin City: A Dame to Kill For". 
Título em Portugal: "Sin City: Mulher Fatal".
Realizador: Robert Rodriguez e Frank Miller.
Argumento:  Frank Miller.
Elenco: Mickey Rourke, Jessica Alba, Josh Brolin, Joseph Gordon-Levitt, Rosario Dawson, Bruce Willis, Eva Green, Powers Boothe, Dennis Haysbert, Ray Liotta, Jaime King, Christopher Lloyd, Jamie Chung, Jeremy Piven.

25 agosto 2014

Notícias - 25 de Agosto de 2014

Mais uma semana em que os estreantes não conseguem alcançar o topo do box office dos EUA. A maior surpresa foi o oitavo lugar de "Sin City: A Dame to Kill For", com a sequela de "Sin City" a obter cerca de 6,4 milhões de dólares em 2894 salas de cinema. O primeiro lugar ficou para "Guardians of the Galaxy", uma obra que sobe um lugar em relação à semana anterior, tendo obtido 17,6 milhões de dólares em 3371 salas de cinema (soma 489,4 milhões de dólares ao redor do Mundo). O segundo lugar ficou para "Teenage Mutant Ninja Turtles" que conseguiu mais 16,8 milhões de dólares, somando 238,8 milhões de dólares ao redor do Mundo. O terceiro lugar ficou para o estreante "If I Stay", um filme protagonizado por Chloe Moretz. "If I Stay" obteve 16,3 milhões de dólares em 2907 salas.

- Continua a especulação sobre o novo filme da saga James Bond. O site MI6 adianta que o filme vai contar com um vilão imponente na senda de Oddjob e Jaws. A mesma fonte adianta que este antagonista vai enfrentar James Bond em várias cenas de acção. O novo filme da saga vai ser realizado por Sam Mendes e conta no elenco com nomes como Daniel Craig, Ben Whishaw, Ralph Fiennes, entre outros.

- O Deadline noticiou que Matthew McConaughey ("Dallas Buyers Club") é o favorito da Warner Bros para interpretar Randall Flagg na adaptação cinematográfica de "The Stand", um livro de terror/fantasia de Stephen King. O enredo desenrola-se num mundo pós-apocalíptico devastado por uma grande peste. A história centra-se num grupo de sobreviventes que tem de combater uma espécie de Anticristo chamado Randall Flagg. O filme vai ser realizado por Josh Boone ("The Fault in Our Stars"). O argumento inicial do filme foi escrito por David Kajganich ("The Invasion").

O Collider divulgou várias imagens de "A Walk Among the Tombstones". O filme é realizado por Scott Frank ("The Lookout"), através do argumento do próprio. "A Walk Among the Tombstones" conta no elenco com Ruth Wilson ("Luther"), Dan Stevens ("Downtown Abbey"), Liam Neeson ("Taken 2"), Boyd Holbrook ("Milk"), entre outros.
 O argumento de "A Walk Among the Tombstones" é baseado no livro homónimo de Lawrence Block e centra-se em Matt Scudder (Liam Neeson), um antigo agente do departamento da polícia de Nova Iorque, agora um agente privado sem licença, que procura recuperar dos problemas relacionados com o álcool e ultrapassar os erros que cometeu no seu passado. Matt é contratado para encontrar a esposa de um traficante de droga, que é raptada e encontra-se em parte incerta. Este terá de agir fora da alçada da lei e conseguir descobrir aquilo que a polícia parece incapaz de fazer: descobrir os criminosos.

- Foi divulgado um trailer de "Loin des Hommes" (Far From Men). O filme é realizado por David Oelhoffen e conta no elenco com Viggo Mortensen, Reda Kateb, Jérémie Vigot, entre outros. O enredo de "Loin des Hommes" desenrola-se na Argélia em 1954. A história acompanha dois homens bastante diferentes que são obrigados a atravessar a Cordilheira do Atlas durante um Inverno rigoroso. Estes homens são Daru, um professor recatado, e Mohamed, um indivíduo acusado de assassinato.



- Foi divulgada uma nova imagem de Samuel L. Jackson em "Kingsman: The Secret Service". O filme é realizado por Matthew Vaughn ("X-Men: First Class"), através do argumento do próprio e Jane Goldman.  "Kingsman: The Secret Service" conta no elenco com Sophie Cookson ("Moonfleet"), Samuel L. Jackson ("The Avengers"), Taron Egerton (estreante em longas-metragens), Colin Firth ("The King's Speech"), Michael Caine ("The Italian Job"), Sofia Boutella ("StreetDance 2"), Mark Hamill (o Luke Skywalker da saga "Star Wars"), entre outros.
 "Kingsman: The Secret Service" adapta ao grande ecrã a minissérie de banda desenhada "The Secret Service", escrita por Mark Millar e desenhada por Dave Gibbons. A minissérie foi criada por Matthew Vaughn ("Kick-Ass") e Millar, após terem visionado "Casino Royale" e terem sentido a falta de cenas que mostrassem o treino do espião. O enredo de "The Secret Service" centra-se num rapaz rebelde do Norte de Londres, que treina para tornar-se num espião ao estilo de James Bond. Firth vai dar vida a Uncle Jack, o "mentor" do protagonista. Egerton interpreta o jovem que treina para ser um agente.

- Foi divulgado um novo trailer de "Whiplash", um filme escrito e realizado por Damien Chazelle ("Guy and Madeline on a Park Bench"). O filme conta no elenco com Miles Teller, J.K. Simmons, entre outros. O enredo de "Whiplash" centra-se no personagem interpretado por Miles Teller, um ambicioso baterista que entra num conhecido conservatório de música, onde é treinado por Fletcher (J.K. Simmons), um professor prestigiado mas com um comportamento algo abusivo.




- Foi divulgada uma imagem e uma foto do set da adaptação cinematográfica da série "The Man From U.N.C.L.E.".
O filme é realizado por Guy Ritchie ("Sherlock Holmes: A Game of Shadows"). O argumento da adaptação de "The Man From U.N.C.L.E." é da autoria de Scott Z. Burns ("The Informant!"), com a colaboração de David Campbell Wilson. "The Man From UNCLE" conta no elenco com Jared Harris, Hugh Grant, Elizabeth Debicki, Armie Hammer, Henry Cavill e Alicia Vikander. A série original teve quatro temporadas, entre 1964 e 68 e baseava-se nas aventuras de dois agentes de topo da organização U.N.C.L.E. (United Network Command for Law and Enforcement), que lutavam contra os inimigos da paz, corporizados na maléfica THRUSH.

- Já se encontra online um novo TV Spot do promissor "Interstellar", um filme realizado por Christopher Nolan ("The Dark Knight Rises"). O argumento original foi escrito por Jonathan Nolan ("The Prestige").O filme conta no elenco com John Lithgow, Ellen Burstyn, Mackenzie Foy, Casey Affleck, Bill Irwin, Jessica Chastain, Anne Hathaway, Matthew McConaughey, Michael Caine, Topher Grace, entre outros. O argumento de "Interstellar" é inspirado nas teorias de Kip S. Thorne, um físico do Instituto de Tecnologia da Califórnia (CalTech), que é especialista na Teoria da Relatividade. O enredo do filme deve acompanhar um grupo de exploradores espaciais, que acaba por ir parar a outra dimensão, através de um wormhole no espaço.