17 maio 2012

Resenha Crítica: "Além de Ti"

Num ano em que cinema português é notícia não só pelos prémios internacionais, mas também pela indefinição em relação ao tardar da aprovação da nova lei que permitiria desbloquear fundos para ajudar o financiamento das obras cinematográficas nacionais, João Marco surge no FESTin com “Além de Ti”, uma longa-metragem independente, escrita e realizada por si, após ter realizado a curta-metragem “Borboleta”. Filmado sem apoios financeiros do Estado e com uma equipa não remunerada, “Além de Ti” surge como uma das agradáveis surpresas do FESTin 2012, ao apresentar a história da degradação de um casal, de forma surpreendente e não linear.
Este casal cuja relação já viveu melhores dias é formado por Tomás (Mário Spencer) e Sofia (Sofia Reis e Joana Costa). Ele é um cartoonista do jornal local, que não tem grandes esperanças em ser bem sucedido como pintor de obras de arte. Ela é uma recepcionista de um hotel. Os dois formam um casal feliz, que salpica os seus dias com refeições diferentes, belas palavras, trocas de juras de amor. No entanto, a felicidade do referido par não irá durar para sempre. Aos poucos, o destino começa a pregar-lhes partidas, ao traz-lhes revezes inesperados que os afastam gradualmente, ao ponto de deixarem de se reconhecer um ao outro, algo visível na figura de Sofia. Enquanto o casal procura regressar à normalidade, Sofia é consumida pelas suas fragilidades, representadas por uma estranha figura que assola a sua mente e está pronta a deixar as amarras da imaginação e transformar-se numa trágica realidade.
 Durante uma entrevista ao Rick´s Cinema, João Marco revelou que a palavra de ordem que lhe transmitiram após a ante-estreia de “Além de Ti” no auditório da Biblioteca Municipal de Faro foi “continua”. Não poderíamos estar mais de acordo. João Marco tem em “Além de Ti” um início de carreira digno de alguma atenção, ao apresentar de forma interessante a história de um casal que passa por uma crise conjugal. O realizador começa por conquistar o espectador logo na cena inicial, onde este depara-se com a protagonista numa cena de enorme intensidade, perante a presença de um estranho que não sabemos (nem saberemos) quem realmente é, uma figura que existe no seu interior e que parece querer libertar-se com intenções pouco saudáveis. Quem é esta figura? O que ela representa? Aos poucos, o novelo começa a ser deslindado e o espectador começa a penetrar numa obra cinematográfica desafiante, criativa e bem escrita, que parece estar sempre pronta a “tirar o tapete” ao espectador e a deixá-lo sem saber bem o que esperar, prendendo-o ao enredo até ao seu momento final.
 O cerne do enredo é a relação entre um casal que procura ser feliz no dia a dia, Sofia e Tomás. A relação entre ambos é marcada por períodos iniciais de enorme candura, que logo terminam quando Tomás é despedido e começa a afastar-se de toda a gente, incluindo a mulher, algo que irá mudar para sempre as suas vidas ao ponto de começarem a tornar-se irreconhecíveis um para o outro. Quando Tomás recupera já é tarde demais, e Sofia já se encontra numa fase de degradação tal que começa a afectar a sua sanidade mental. Este casal é interpretado por Mário Spencer, Sofia Reis e Joana Costa, três actores que despertam a atenção do espectador pelas suas sólidas interpretações. Mário Spencer estreia-se no grande ecrã, após ter participado em vários trabalhos no teatro e na televisão. Este dá vida a Tomás, um cartoonista algo inseguro do seu talento, que tem na sua mulher o grande apoio da sua vida. Spencer é uma boa surpresa ao conseguir transmitir as fragilidades e o espírito sonhador do seu personagem, ao mesmo tempo que consegue formar uma boa dupla com Sofia Reis e posteriormente com Joana Costa. (clicar em mais informações para ler a crítica completa)




 Sofia Reis e Joana Costa interpretam Sofia, em diferentes fases da personagem. A primeira numa fase em que o casal começa a ver a sua situação a degradar-se, após momentos de grande felicidade, e a segunda quando esta se vai degradando mentalmente, num período de maior fragilidade que irá conduzi-la a uma situação surpreendente. Para além dos protagonistas, João Marco procura ainda construir um universo bastante rico de personagens secundários que povoam o enredo e fazem parte do dia-a-dia dos protagonistas, veja-se o caso de Raul (Nuno Faísca), o melhor amigo do protagonista, além de personagens presentes no jornal onde trabalha Tomás, no hotel onde labora Sofia, ou seja, houve uma preocupação de criar todo um universo em torno dos protagonistas que enriquece o enredo.
 João Marco tem em “Além de Ti” a sua primeira longa-metragem como realizador, mas nem por isso deixa de apresentar uma segurança interessante atrás das câmaras, pronto a tomar opções e a criar um projecto seu, onde assume o papel de “mestre de cerimónias” e acumula a função de argumentista, produtor e editor, numa obra marcadamente autoral e elaborada de forma independente e sem apoios financeiros. “Além de Ti” é um exemplo a nível de empreendedorismo da parte de João Marco, que conseguiu reunir uma equipa não remunerada bastante competente, para desenvolver um projecto cinematográfico ambicioso gravado no Algarve.
 Outro dos motivos de especial interesse de “Além de Ti” passa por ter sido inteiramente gravado no Algarve, nomeadamente em Faro, algo que é visível ao longo de grande parte do filme, com João Marco a utilizar o conhecimento que tem do local para apresentar vários acontecimentos do enredo. A escolha do cenário do Algarve não deixa de ser curioso, apesar de ser um local privilegiado a nível da prática de turismo e de atracção de pessoas, a verdade é que pouco tem sido aproveitado a nível cinematográfico, tendo em “Além de Ti” uma agradável excepção.
 Apesar de todas as qualidades e da ambição demonstrada, não é menos verdade que “Além de Ti” confunde o espectador em demasia, deixando-o muitas das vezes alienado do enredo, sobretudo nas cenas em que Sofia começa a “sonhar” (ou a ver) um estranho, bem como na transição súbita das actrizes que interpretam Sofia. De um momento para o outro, o espectador vê-se com uma actriz diferente a interpretar a mesma personagem, sem explicação, o que, apesar de se compreender, tendo em conta a premissa do filme, não deixa de ser uma opção que deve ser questionada.
 Desenvolvido de forma independente, “Além de Ti” marca uma estreia bastante interessante de João Marco na realização de longas-metragens, numa história surpreendente sobre a degradação da relação amorosa de um casal, após vários anos de felicidade. Entre a realidade e a ilusão, entre fortuna de uma relação amorosa e um afastamento desolador, “Além de Ti” convida-o a penetrar na degradação da relação de um casal e na forma como isso pode trazer consequências nefastas para os seus elementos. Com “Além de Ti”, João Marco mostra que é possível fazer bom cinema de forma independente em Portugal, num filme que revelou ser uma agradável surpresa na edição de 2012 do FESTin.

Classificação: 3 (em 5)

Ficha técnica:
Título Original: Além de Ti.
Realizador: João Marco.
Guião: João Marco.
Elenco: Mário Spencer, Joana Costa, Sofia Reis, João Machado, Nuno Faísca, Nuno Murta, Adelaide Fonseca, João Jonas e Pedro Monteiro.

3 comentários:

Hugo Barcelos disse...

gostei particularmente da parte da paragem!

Face/Off disse...

de louvar a coragem e vontade de todos os que participaram neste filme... nos tempos que correm, estas apostas merecem mais destaque.
parabéns e muito sucesso.

Face/Off disse...

de louvar a coragem, vontade e empenho de todos os que participaram neste projecto.
estes filmes mereciam mais destaque e reconhecimento, de todos...
parabéns e muito sucesso!